Acervo Dr. Zaba 
Quem Somos

Atividades

Profissionais

Medicina Integral

Med. Biologia Infantil

Links Selecionados

Endereços
  Pesquisar:

Cuidado com a IMUNODEFICIÊNCIA
Os primeiros cuidados e as primeiras alterações são muito importantes para os nossos filhos, levando a sintomas nos primeiros anos de vida e a predisposição a enfermidades na idade adulta.
O desenvolvimento no período Peri-natal e nos primeiros anos de vida tem influenciado por fatores endógenos ( que vem de dentro) e ambientais que atuam em concerto produzindo trocas estruturais e funcionais que podem persistir por toda a vida.
O conceito de programação fisiológica dos primeiros anos de vida tenta explicar as associações do período peri-natal com alterações no crescimento e desenvolvimento fetal e o fato de aparecerem doenças até o final da vida. Estes fatores entre os quais , a nutrição e os hormônios endógenos, assim como a exposição ambiental a materiais biológicos, químicos, medicamentos, atitudes medicas e até a fatores físicos são importantes.
A ação de certos fatores relacionado com tecidos específicos durante o desenvolvimento, sensíveis ao mesmo, afetam o seu desenvolvimento, organização e função .
Imunotoxicidade do desenvolvimento e os riscos para a saúde na vida adulta.
A imunotoxicidade do desenvolvimento é um problema de saúde cada vez mais freqüente e que predispõem as crianças cada vez mais a enfermidades; as enfermidades como a asma infantil , as enfermidades alérgicas, os transtornos autoimunitarios e as infecções infantis .
Estes problemas estariam relacionados a maturação do sistema imune em associação com o desenvolvimento de influencias ambientais, como a seleção negativa das células T auto reativas no Timo em desenvolvimento.
Influencias ambientais sobre o desenvolvimento pré-natal e as respostas imunológicas.
A exposição do ambiente intra-útero está preparado para o ambiente semialógeno; a relação entre o feto e a mãe tem uma diminuição da atividade imunológica para evitar uma ação tipo rejeição da mãe pelo feto, que poderia se transformar em um baixo nível imunológico, caracterizando a imunodeficiência transitória que o recém nascido tem quando nasce.
Durante o terceiro trimestre da gestação o feto tem uma baixa do linfócito T helper (aquele que ajuda a defesa – relacionado com interferom gama ) e quando o nenê nasce pode ser detectada o problema porem a amamentação com o leite materno vai ajudar a rapidamente melhorar e em um a dois meses estamos já com um nível mais equilibrado.
A exposição intra uterina a pesticidas e ao fumo são responsáveis por uma diminuição do nível da defesa do nenê.
As alterações em células T, células dendriticas e nos macrófagos são altamente vinculadas a alterações químicas dando lugar a uma mal regulação dos mesmos e piorando a imunidade do nenê.
Resposta Imune durante a infância.
Até o tipo de parto pode estar relacionando com patologias especificas do dia a dia. Um parto normal tem um risco menor de rinite alérgica e atopia, em pais que tenham as patologias, do que nos partos cesárea.Provavelmente o contato com a vagina vai criar fatores imunológicos importantes na vida do recém nascido.
Durante o período Peri-natal o hospedeiro humano está exposto a uma serie muito grande de macromoléculas ambientais e agentes microbianos associada a baixa defesa do grupo, o que levas as alterações da resposta imune mediada pelas células apresentadoras de antígenos assim como a um aumento da apoptosis ( morte das células ) e das respostas dos eosinófilos.
As respostas inflamatórias das células devido as alterações da mucosa precocemente, desencadeiam alterações posteriores como doenças da própria mucosa, da autoimunidade e de reações alérgicas.
Uma microflora alterada no começo da infância afeta as reações de sinalização que determinam a diferenciação das células T Helper ( TH ) e a indução de tolerância.
A quantidade de células Th1 ( células de defesa 1 ) diminuída com um aumento de células Th2 ( células de defesa 2 ) nas vias respiratórias associadas a um aumento dos transtornos alérgicos está associada a uma diminuição das respostas Th1. Ou seja as alterações do meio ambiente no período peri-natal e neonatal precoce podem alterar as respostas da vida em um adulto. (É a interação do meio ambiente e das infecções deste o período peri-natal até a fase adulta)
As alterações toxocológicas no período neo natal e na infância podem ser responsáveis por alterações especificas como asma alérgica infantil e rinite em particular, varias toxinas com agentes infecciosos, contaminação do ar e até o tabagismo materno, alterações do estado de fadiga, alergias alimentares e até o câncer ( leucemia infantil).
Enfermidades alérgicas infantis
As doenças da infância como a asma alérgica infantil e a rinite em paritcular, varias toxinas, agentes infecciosos, contaminantes do ar, e o tabagismo materno são importantes fatores de risco, assim como a probabilidade de agentes genéticos do próprio feto estimulariam um aumento de Th2 aumentando o risco.
Temos em nossos agentes terapêuticos a ação do Vicentoxicum hirudinaria em associações junto com Tonsila suis em associações que podem ajudar as crianças com baixo índice de IGA salivar ( imunoglobulinas da saliva) podem reduzir o nível de asma na infância.
As alterações como baixo peso ao nascer e complicações metabólicas, assim como a obesidade em crianças associada a transtornos cardiovasculares e a resistência a insulina podem estar diretamente ligados a alterações especificas da atividade imunológica. A própria puberdade precoce e alterações no desenvolvimento sexual dos adolescentes está vinculada a alterações do sistema de defesa.
Esta cada vez mais em evidencia que os fatores genéticos, associados a informações do meio ambiente (epigeneticos) podem afetar o desenvolvimento pre natal e causar trocas estruturais importantes que podem ser responsáveis pelas doenças da infância e do adulto .
A exposição no período pré natal e neo natal precoce a fatores humorais endógenos (por exemplo - hormônios sexuais) e a agentes tóxicos como fármacos podem alterar as respostas futuras do organismo. Todas as alterações no eixo Hipotalamus, hipofese e supra renal e sobre todo o sistema imunitário são importantes no equilíbrio.
Estes são os principais fatores de risco nas deficiências imunologicas e que devem ser sempre tratadas , pois melhoram as respostas muitas doenças podem ser evitadas.

Dr. Miguel Zaba
55-11-26014199
gn1
Direitos Reservados 2005 © - Dr. Zaba - Medicina do Século 21